A greve dos servidores das escolas estaduais em função do parcelamento de salários teve início no dia 5 de setembro. No Colégio Estadual São Tiago, dois professores e uma servidora aderiram a paralisação.
Conforme a vice-diretora, Miriam Maffei, as disciplinas de história e física carecem de professores, mas os alunos estão passando por ajustes nos horários para não terem que recuperar mais adiante. Miriam ainda comenta que a greve prejudica tanto os alunos, quanto professores, pois a programação planejada durante o ano é perdida. Para a professora Jéssica Pereira da Costa, a greve, apesar de prejudicar alunos e professores, é justa pelos desmandos que o governo do estado está tendo com a educação. 
No Colégio Estadual Farroupilha sete professores e uma servidora aderiram a paralisação. Segundo a vice-diretora Silvana Gallina, as disciplinas atingidas foram geografia, história, biologia, química e ensino religioso. Ela explica que o planejamento foi mudado em termos de horários para que os alunos não sejam tão prejudicados, mas alerta que a carga horária deve ser cumprida e essas aulas terão de ser recuperadas. Apesar da greve, o colégio está em plena atividade e ela orienta os pais para que não deixem de mandar seus filhos para a escola.

Confira as entrevistas nos áudios abaixo:

Áudios

Deixe o seu comentário!