Aos 17 anos, Josué dos Santos Lima amarra sua chuteira para mostrar todo seu potencial com a bola no pé, pois sabe que cada treino é um grande passo em direção ao sucesso no futebol. O jovem meia, morador do bairro Primeiro de Maio, iniciou sua caminhada no Brasil de Farroupilha em 2018. Talentoso, Josué alcançou seu objetivo.

Após um jogo da categoria sub 17 contra o Juventude, o jogador subiu e treinou com o time profissional. “É um pouco estranho no começo, porque são pessoas que conhecemos pouco, mas com o tempo vamos ficando entrosado e fica muito melhor”, conta Lima. O meia não chegou a jogar oficialmente pelo Brasil na Divisão de Acesso do Campeonato Gaúcho.

Por conta do rebaixamento da equipe à Segunda Divisão do Estadual, Josué voltou para as categorias de base e hoje faz parte dos juniores, composto por atletas de até 20 anos. Apesar de ainda estar na base, a prata da casa acredita no sucesso. “Eu penso primeiro no time, alcançar os meus objetivos por aqui, claro, no momento que eu amadurecer e desenvolver meu melhor futebol, pretendo jogar na Europa”, confessa o jogador.

As categorias de base do Brasil de Farroupilha têm 90 crianças dos nove aos 17 anos, que revezam o treinamento de manhã e à tarde, de segunda a sexta-feira. Conforme o diretor das categorias de base, Cristiano Nery, o desenvolvimento das promessas não acontece apenas dentro do campo, mas também na escola, por exemplo.

Ele ainda comentou sobre a dificuldade de montar categorias de base. “Foi muito difícil estruturar, pois por 18 anos não tivemos essa ferramenta importante. Com ela conseguimos formar atletas e às vezes ter alguma receita, porém o que mais nos deixa gratos são os cidadãos formados aqui dentro”, pontua Nery. Em média dois jogadores por ano sobem para o time profissional.

A responsabilidade do time farroupilhense é grande em relação à transição dos garotos da base. São cuidadas partes técnicas desde toques de bola até o cabeceio. Ao longo do tempo acontece o aperfeiçoamento dessas questões, além do cuidado com o lado psicológico dos juniores.

Segundo Fernando Ricardo Varani Júnior, coordenador das categorias de base, para o atleta garantir uma vaga no time profissional, além de muita dedicação, o jovem necessita atender os requisitos técnicos solicitados nos treinos. O coordenador afirmou que são desenvolvidas respostas tanto físicas, quanto psicológicas às variações de jogo. “Nós disputamos campeonatos para mostrar a realidade dos jogos como se tivessem no profissional. Durante essas partidas conseguimos acompanhar o nosso trabalho”, explica Varani Júnior. Os jovens da base disputam quatro competições: Campeonato Sesc, Liga Serra Gaúcha e Campeonato Altos da Serra, além do Estadual de juniores. 

Auge recente do rubro-verde

O auge recente do Brasil aconteceu em 1992, quando subiu para a elite do futebol gaúcho e enfrentou por diversas vezes a dupla grenal no Estádio das Castanheiras, na Serra Gaúcha. Em 1999 o time farroupilhense caiu para a Divisão de Acesso.

O Brasil havia caído para a Segunda Divisão em 2018, mas este ano voltou à Divisão de Acesso do Campeonato Gaúcho com intuito de conquistar novamente o seu lugar dentre as principais equipes do Rio Grande do Sul.

Confira o áudio com as entrevistas 

 

 

 

Áudios

Leia Também

Deixe o seu comentário!