Os integrantes do Corpo de Bombeiros de Farroupilha, o comandante Elierson dos Passos e os sargentos Everaldo Vaz de Oliveira e Denilson Meirelles Carvalho foram os convidados do programa Spaço Livre deste sábado, 5. Eles abordaram assuntos como prevenção de incêndios, planos de prevenção, orientaram os ouvintes sobre como proceder em caso de sinistros, além de comentarem sobre a explosão seguida de incêndio que aconteceu no dia 26 de dezembro no edifício Vêneto. 

PPCI

Sobre a elaboração do Plano de Prevenção Contra Incêndio (Ppci), de acordo com o comandante que assumiu a corporação no dia 17 de abril do ano passado, existia uma cobrança da comunidade sobre a demora na liberação dos planos e foi realizada uma reunião.

A partir deste ponto, Passos ressaltou que um dos problemas que estava gerando demora na liberação era a falta de horas extras para os servidores. Através do comando regional foram liberados os pagamentos para a corporação, que agilizou a avaliação dos planos para até 15 dias.

O comandante também explicou que desde outubro as análises estão um pouco mais demoradas em virtude do início da Operação Verão e a cedência de três servidores para o litoral. Agora o processo está durando cerca de 40 dias para uma resposta. Atualmente a corporação do município trabalha com 19 servidores.

PRÉDIOS ANTIGOS

Passos também comentou sobre os prédios antigos existentes em Farroupilha. Um deles foi o do Hospital São Carlos, onde existe precariedade na prevenção de incêndios, mas o plano está sendo analisado pelo Corpo de Bombeiros. O tenente contou que primeiramente o documento será adequado para que depois sejam realizadas obras para melhorar a segurança do local.

Os bombeiros ressaltaram que normalmente é desta forma que são adequadas as prevenções e um dos maiores problemas apresentados nestas edificações são as saídas de emergência. O tenente salientou a importância dos proprietários seguirem as determinações dos bombeiros e realizarem todas as melhorias apontadas pelos peritos. “A gente não pode confundir a inviabilidade técnica com a inviabilidade financeira”, destacou.

EXPLOSÃO EDIFÍCIO VÊNETO

Os integrantes da corporação também comentaram sobre o sinistro que aconteceu no edifício Vêneto no dia 26 de dezembro, no centro de Farroupilha, quando um apartamento explodiu, incendiou e deixou a proprietária gravemente ferida. Eles explicaram que a ação do Corpo de Bombeiros foi rápida diante da situação que se apresentava.

No primeiro momento quatro bombeiros chegaram no local, dois foram em busca de vítimas e outros dois trabalharam na extinção das chamas. Eles contaram que o tamanho das mangueiras que estavam no primeiro caminhão não deram conta do edifício e foram necessários equipamentos de um prédio vizinho.

Conforme o Instituto Geral de Perícias (IGP), a explosão se deu através de vazamento de gás. Os bombeiros que avaliaram o local encontraram botijões P13 no apartamento, mas não confirmaram se estavam sendo utilizados pelos moradores, já que o condomínio conta com gás encanado. O IGP deve apresentar em até 30 dias um laudo explicando de que forma aconteceu a explosão.

Durante o programa os bombeiros comentaram que existe uma legislação desde 2013 que não permite a utilização de botijões P13 em edifício com altura superior a 14 metros e que tenham gás encanado. Eles também destacaram que caso os prédios sejam mais antigos a utilização de até três botijões é permitida em apartamentos.

Os bombeiros salientaram que os moradores que utilizam botijões devem instalar os mesmos na área externa das residências com mangueiras de até 1,2 metros de comprimento. Caso a distância seja maior, a recomendação é a utilização de canos.

Eles também alertaram sobre a não utilização de equipamentos que produzem fagulhas se houver suspeita de vazamento. A melhor forma de prevenir explosões é arejar os ambientes antes mesmo de acender alguma luz.

Ouça o programa no link abaixo

Leia Também

Deixe o seu comentário!