Luís Alberto Nunes Alves, conhecido publicamente como Bebeto Alves, nasceu na cidade de Uruguaiana em 1954, e é considerado um dos nomes expoentes da MPG (Música Popular Gaúcha) nos anos 80, sendo um artista pioneiro na world music no Rio Grande do Sul. A atriz Mel Lisboa é sua filha.

Foi em 1970, que Bebeto se mudou de Uruguaiana para a capital Porto Alegre, onde mais tarde formou a banda Utopia com Ricardo e Ronald Frota. Depois, participou da coletânea "Paralelo 30" de 1978, só com artistas gaúchos.

Bebeto Alves lançou seu primeiro disco solo em 1981, mas, um de seus maiores sucessos foi "Quando Eu Chegar", lançado em um compacto em 1984.

Ao longo da década de 80, mostrou ao público seu estilo reunindo elementos pop, utilizando teclados, baixo elétrico e bateria eletrônica. Seus discos seguintes "Novo País", "Pegadas", "Danço Só", "Milonga de Paus", "Paisagem", mesclam a milonga e os ritmos gaúchos a diversos estilos como rock, reggae, pop e eletrônico.

Em 1997 produziu o CD de estreia da cantora gaúcha Luciana Pestano, pelo selo Antídoto. Por lá, participou também de produções de bandas como Júpiter Maçã, Tequila Baby e Papas da Língua.

Em 1998 lançou um álbum ao vivo gravado em Porto Alegre no Teatro Renascença do projeto "Juntos" com músicos como Totonho Villeroy, Nelson Coelho de Castro e Gelson Oliveira.

Em 2000, junto com o lançamento de "Bebeto Alves y la Milonga Nova", ele percorreu várias cidades europeias para divulgar o trabalho.

Em 2004 lança seu álbum "Blackbagualnegovéio", que contou até com uma interpretação para Paint It, Black dos ingleses The Rolling Stones, e gravou um DVD ao vivo.

Depois disso, em 2008, lançou o trabalho inédito "Devoragem".

Excelente profissional de palco e produção, também foi diretor do Centro de Música (CEMUS) da Funarte nos anos de 2011 a 2012. Exerceu o cargo de diretor do Instituto Estadual de Música (IEM) da Secretaria Estadual da Cultura do RS de 2000 a 2002, o de Secretário Municipal de Cultura e Turismo da cidade de Uruguaiana de 2003 a 2004, e, por fim, coordenador de música da Secretaria de Cultura da cidade de São Leopoldo no período 2009 a 2010. Também exerceu o cargo de presidente da Cooperativa Mista de Músicos de Porto Alegre por dois anos, de 1988 a 1990.

Em abril de 2013, precisou passar por um transplante de fígado depois de anos tratando de uma hepatite tipo C que acabou convertendo-se em um tumor.

Em 2020, o artísta anunciou que não gravaria mais discos. Em uma célebre frase disse: "Eu não estou desistindo. Eu estou me negando a fazer." Segundo ele, por vários fatores, o principal, a inadequação artística diante das necessidades imediatistas e superficiais do mundo digital, ou seja, o disco ficou obsoleto perante os canais de músicas da vida.

Mostrando uma ideia de "continuar criando e envelhecendo bem", Bebeto Alves é multimídia e trabalha no audiovisual do projeto Stop 19. Também outros projetos com reunião de grandes nomes da música.

Discografia

1978 - Paralelo Trinta (com Cláudio Vera Cruz, Raul Ellwanger, Carlinhos Hartlieb, Nando D'Ávila e Nelson Coelho de Castro)
1981 - Bebeto Alves
1983 - Notícia Urgente
1985 - Novo País
1987 - Pegadas
1988 - Danço Só
1991 - Milonga de Paus
1993 - Paisagem
1994 - De Aço e Algodão
1995 - Milongueando Uns Troços
1997 - Mandando Lenha
1998 - Juntos ao Vivo
1999 - Milongamento
2000 - Porto Alegre canta tangos
2000 - Bebeto Alves y la milonga nova
2001 - Paralelo trinta - Ontem e hoje
2002 - Juntos 2 - Povoado das águas
2004 - Voltas
2004 - Porto Reggae
2004 - Mais uma canção
2004/2006 - Blackbagualnegovéio
2008 - Devoragem
2010 - Box Bebeto Alves 3D
2010 - Cenas
2010 - Bebeto Alves e Os Blackbagual
2010 - O Maravilhoso Mundo Perdido
2014 - Milonga Orientao
2018 - Oh Blackbagual Canção Contaminada
2020 - Oh Blackbagual Pela Última Vez

Leia Também

Deixe o seu comentário!