O Instituto Federal do Rio Grande do Sul (Ifrs) Campus Farroupilha suspendeu as aulas até 3 de junho por conta da pandemia de coronavírus. A decisão foi tomada após uma reunião da reitoria com outras 17 sedes da instituição no estado.

O diretor do Ifrs Campus Farroupilha, Leandro Lumbieri explicou qual foi o fator determinante para o adiamento da suspensão. “Há uma tendência de que exista um aumento na curva das contaminações e, consequentemente, o contato com a covid-19”, esclareceu. Ele lembrou que o campus conta com mais de mil alunos e em cada turno cerca de 500 pessoas ficam reunidas. Lumbieri afirmou que tem servidores que transitam de uma sede para a outra em municípios diferentes, aumentando o risco de contágio.

De acordo com o diretor da instituição, os professores têm enviado material para os alunos não ficarem parados em meio ao isolamento social. No entanto, como uma parte dos alunos não conta com ferramentas de tecnologia e muitas vezes não recebe as atividades, os conteúdos não valem como aula. “Não temos como dar aula para uns alunos e não para outros”, pontuou. Lumbieri contou que as horas perdidas serão recuperadas. Para que isso ocorra da forma correta, há uma equipe que está na instituição trabalhando. Não há ainda informações de como os estudantes recuperarão as aulas.

O diretor não descartou antecipar o retorno das atividades se cenário atual mudar. “É possível sim que a gente volte a discutir e veja a possibilidade de trazer os alunos de volta com segurança para o ambiente escolar antes do período”, concluiu.

ACOMPANHE A NOTA SOBRE A SUSPENSÃO DAS ATIVIDADES LETIVAS 

As atividades letivas estão suspensas no IFRS até o dia 03 de junho de 2020, podendo
estender-se por período maior, de acordo com a evolução da atual crise epidemiológica e
recomendações dos órgãos governamentais. Esta medida visa preservar a saúde e a vida
da comunidade do IFRS, diante de um contexto grave e sem precedentes.
Após a decisão institucional de suspensão das aulas, múltiplos anseios e proposições são
advindos da comunidade em relação às formas de recuperação do calendário acadêmico.
Compreendemos a preocupação de todos e acolhemos as iniciativas que contribuam para
minimizar os prejuízos nos processos de ensino e aprendizagem dos nossos estudantes.
Desde já, um Grupo de Trabalho vem pensando as estratégias para a retomada das
atividades letivas, e em breve estas propostas serão apreciadas pelo Conselho Superior do
IFRS.
Contudo, em observância aos princípios que orientam o Projeto Pedagógico Institucional do
IFRS, entendemos que não é pedagogicamente adequado, nem estruturalmente viável, a
substituição das atividades acadêmicas presenciais por atividades estritamente a distância
nesse período. Sobre a consolidação desse entendimento, reafirmamos alguns princípios
que norteiam o posicionamento institucional:
I.Somos uma instituição multicampi, atuando em 16 municípios, com contextos locais
diversos entre si quanto ao suporte e disponibilidade de ferramentas de educação a
distância, o que implica em grandes desafios para promovê-la de modo massivo e
extemporâneo, cumprindo os requisitos para que essa oferta se dê com efetividade e
qualidade.
II.Somos uma instituição que atua em diferentes níveis de ensino, o que implica em uma
grande diversidade do público discente. Esta diversidade se manifesta também quanto ao
domínio de ferramentas digitais e autonomia para os estudos domiciliares, o que requer
práticas pedagógicas adequadas a cada nível de ensino. Ademais, nem todos estudantes
do IFRS possuem acesso a computador e internet em suas residências, e isso, por si só, já
é um fator de exclusão.
III.Somos uma instituição inclusiva, que em sua Política de Ingresso Discente prevê reserva
de vagas para pessoas com deficiência. Temos um grande quantitativo de estudantes com
condições limitantes de aprendizado, o que requer planos educacionais individualizados,
adaptações curriculares e acessibilidade no acesso ao conhecimento, seja ele presencial ou
a distância. Nenhum estudante pode ser deixado para trás nesse processo!
IV.Somos uma instituição de educação profissional, em que as atividades práticas são
essenciais na formação acadêmica. Aulas em laboratórios, realização de experimentos,
saídas de campo, visitas técnicas e práticas profissionais são elementos importantíssimos
nos projetos pedagógicos de curso que sofreriam sérios prejuízos com a substituição das
aulas presenciais por atividades a distância. Não podemos abrir mão da nossa qualidade!
V.Somos uma instituição em que ensino, pesquisa e extensão são dimensões
indissociáveis, e a participação em projetos dessa natureza deve ser oportunizada para
todos os estudantes. Substituir as atividades presenciais por atividades a distância
significaria, em última análise, negligenciar o acesso dos discentes a essas experiências
formativas.
VI.Somos uma instituição que valoriza o esporte, o lazer, a arte e a cultura, que possui
políticas específicas para promoção destas atividades. Entendemos que estas são
dimensões essenciais para a formação humana e integral, princípio fundante do Projeto
Pedagógico Institucional do IFRS, mas que se tornam impraticáveis com o cenário de
suspensão das atividades presenciais.
Por estes motivos, consideramos que são irreparáveis os prejuízos à formação dos nossos
estudantes mediante a substituição das atividades presenciais por atividades estritamente a
distância, ainda que por período determinado. Uma solução é boa quando é boa para
TODOS. Se houver apenas um estudante sem internet ou computador para acompanhar as
aulas, esta alternativa é excludente, e por isso não deve ser cogitada. A força do IFRS
reside na qualidade do seu ensino e na UNIDADE enquanto instituição. Todas as aulas
serão devidamente recuperadas quando este período turbulento passar, em cada campus e
em cada curso, com a qualidade que sempre nos foi tão cara, como os nossos estudantes
merecem.
Pró-reitoria de Ensino do IFRS

OUÇA O ÁUDIO ABAIXO 

 

Áudios

Leia Também

Deixe o seu comentário!