A barragem do Burati, que abastece cerca de 80% da população de Farroupilha com água potável, está com um volume muito abaixo do nível normal de sua capacidade. Em entrevista à Spaço FM nesta quinta-feira, 22, o gerente da Corsan no município, Elton Luiz Ernzen, ressaltou que a situação é preocupante e está numa fase de monitoramento, por isso pediu o apoio das pessoas no consumo moderado.

Ernzen sabe que existem muitas críticas relacionadas a falta de planejamento, mas salientou que a chuva não tem como planejar. O nível está muito abaixo do que em outras oportunidades. O gerente relatou que a equipe que acompanha o volume da altura manométrica da água registrou durante a estiagem no ano passado 2,6 metros abaixo do normal e este ano já está em 2,9 metros, o que deixa a stituação muito preocupante.

Ele ressaltou que a última chuva registrada com volume, que fez o transbordo da barragem, aconteceu em 2 de julho de 2020 e de lá para cá não choveu o suficiente para recuperar o sistema Burati. Conforme Ernzen, a Corsan já está com um planejamento para trazer água da barragem de São Miguel, localizada em Bento Gonçalves, para o sistema Burati. “O processo é caro, mas extremamente necessário”, comentou.

O gerente também comentou sobre a possibilidade de realizar a retirada de lodo do fundo da barragem para represar mais água. Segundo ele, isso não irá resolver o problema, pois um metro cúbico de lodo corresponde a um metro cúbico de água, e hoje Farroupilha consome diariamente nove milhões de metros cúbicos de água potável. “Seria uma obra faraônica para apenas um dia de consumo. Não é um desassoriamento que vai resolver um problema da estiagem”, destacou.

Quanto ao possível racionamento, Elton salientou que apesar de ser um plano estratégico, ainda não há uma data para ser colocado em prática e apelou para o consumo consciente da população.

Confira no áudio abaixo

Áudios

Deixe o seu comentário!