A comissão composta por sete servidores municipais que analisou o contrato para a aquisição do novo software do gerenciamento da saúde pública no município concluiu que houve ilegalidades.

Leia o relatório na íntegra

O relatório foi apresentado na Câmara de Vereadores durante a sessão desta segunda-feira, 13, pelo líder de governo Fabiano Piccoli.

O vereador destacou que no relatório houve direcionamento de licitação, termo de referência pronto, mudança na forma de pagamento para beneficiar a empresa e a perda de funcionalidade. No parecer consta ainda que apesar de mais de dois anos de alertas de servidores e secretários, não houve nenhum movimento para alteração de itens ou artigos no processo por parte do Executivo.

Durante a apresentação da nova plataforma, várias entidades demonstraram insatisfação com os altos valores pagos pelo município, o que gerou inclusive uma moção de repúdio assinada pelas lideranças da comunidade.

O relatório será encaminhado para os órgãos competentes de justiça.

Confira no áudio abaixo

Áudios

Deixe o seu comentário!