A aprovação da Identidade de Gênero no Plano Municipal de Educação em Farroupilha continua causando divergências. Membros do PSB divergiram sobre o assunto. O vereador licenciado Rudi da Silva criticou o projeto, incluso no plano de educação, assim como sua aprovação. Ao se inteirar mais no assunto, crê que o projeto pode trazer um desconforto para as famílias. Vendo que a ideia de a escola não ensinar que são meninos e meninas pode confundir a criança, além de receber cartilhas que ensinarão novas filosofias de sexualidade. Rudi vê que o Congresso e Assembleia retirar a identidade do plano de educação torna a implantação como inconstitucional. Logo, sua aprovação em instância municipal deve ser retirada. O vereador licenciado vê que seus colegas não se inteiraram no projeto, já que ele tem apenas quatro linhas no Plano Municipal de Educação.

O presidente da Câmara Municipal de Vereadores, Vandré Fardim, também do PSB, negou que o projeto tenha passado batido, mas vê uma interpretação diferente entre quem votou. Vandré explicou que o plano tem um eixo que fala sobre a diversidade, educação, justiça social e direitos humanos. Uma das metas da Identidade de Gênero é respeitar a orientação sexual e discutir a descriminação e homofobia, onde será estudado os termos desse assunto. Além de desenvolver políticas para os grupos LGBT. Vandré também criticou a Assembleia Legislativa pela retirada do projeto, afirmando faltar mais firmeza e representação dos políticos.

O professor Juliano Luiz Baumgarten, um dos responsáveis pelo Plano Municipal de Educação, comentou não haver motivos para discussão, criticando a ideia das pessoas contrárias a Identidade de Gênero, que declaram ser a destruição da família. Juliano explicou a construção do plano, que durou cerca de nove meses, e foi feito com professores, pais e órgãos da cidade. O plano consta que seja trabalhado as diversidades, contra o preconceito. O professor declarou que a família deveria participar mais da escola. E alegou que não haverá nenhuma orientação. Sendo a identidade e o processo de escolha da opção sexual uma decisão pessoal, que a escola e os pais não deveriam interferir. 

Leia Também:
Fisioterapeuta Carlos Bach ataca Identidade de Gênero: “Quem tem de ensinar moral é a família”
Psicóloga Claudia Maggioni comenta identidade de gênero: “Está mais do que na hora de falar sobre isso”



 

Áudios

Deixe o seu comentário!