Os servidores do Judiciário gaúcho decidiram em assembleia realizada na última quinta-feira, 14, encerrar a greve que durou 52 dias no estado. Eles aceitaram os termos da negociação do Sindijus-RS com a presidência do Tribunal de Justiça (TJ), mediante a devolução dos salários e compensação dos dias paralisados.

Os dirigentes também solicitaram a suspensão de quaisquer penalidades administrativas aos grevistas que tenham sido encaminhadas pelas comarcas.

Em relação às reivindicações, ficou acordado com o Tribunal, a constituição de um grupo de estudos permanente para construir um plano de valorização das carreiras dos servidores.

A administração prometeu também agilidade no processamento interno do pedido de equiparação do auxílio-refeição para servidores e magistrados, a fim de que seja analisado no Code no dia 19 de novembro e votado pelo Órgão Especial (OE) ainda no mês de dezembro.

A decisão pelo fim da greve, no entanto, não encerra a mobilização da categoria, conforme alertaram os dirigentes das entidades.

Os representantes salientaram que a categoria deve permanecer mobilizada e fiscalizar de perto o cumprimento dos compromissos firmados na negociação. Em Farroupilha, o representante da categoria e líder da paralisação, Robson Sima, em entrevista à Spaço FM, comentou sobre o fim da greve e o retorno às atividades nesta segunda-feira, 18.

Conforme Sima, a prioridade dos trabalhos será determinada em reunião liderada pela juíza chefe do Fórum.

Confira na íntegra no áudio abaixo

Áudios

Deixe o seu comentário!