Gerente geral do Pró Saúde, Rubens Esmeraldo diz que a entidade está sob controle. Os postos de saúde estão atendendo normalmente e a farmácia popular não tem problemas de falta de medicação. Quanto às demissões, tanto das psicólogas quanto de outros profissionais, Rubens considera normal, pois é uma nova filosofia de trabalho e adequação ao sistema. Já houveram cerca de 50 demissões e segundo ele, foram realizadas de forma criteriosa e não tiveram cunho político. Na entrevista reproduzida no Panorama desta sexta-feira, Esmeraldo deixou claro que o que interessa é o lado profissional e técnico.

 

Ainda no programa de hoje, a vice-presidente da ELOPSI, Evelise Perotoni comentou que o atendimento psicológico requer um atendimento contínuo e ético. Quanto às demissões destes profissionais em qualquer situação é preciso um cuidado para que antes, seja feito um desligamento antes com o paciente. É possível que conforme o quadro clínico de uma pessoa possa haver o agravamento do problema ou da doença.

Vanzenir Ferreira Soares se tratava a cinco anos com psicólogos do Pró Saúde e ficou surpresa com a demissão dos profissionais. Hoje tem atendimento por tempo determinado e não sabe como vai ficar sua situação após o término deste prazo. Tem certeza que o tratamento em grupo, para ela não terá o resultado esperado.

 

Confira as manifestações na galeria de áudios abaixo. 

Deixe o seu comentário!