O bispo da Igreja Mundial do Poder de Deus, Rodrigo Oliveira, participou do programa Fim de Expediente desta sexta-feira, 29, e explicou sobre a suposta venda de uma ‘semente’ com promessa de cura do coronavírus que ganhou repercussão em todo o Brasil nos últimos dias.

A Igreja Mundial divulgou uma nota de esclarecimento descrevendo o caso e alegando que a semente é na verdade uma figura de linguagem, ou seja, um símbolo que representa "o princípio de uma colheita conforme a vontade de Deus".

Confira a nota na íntegra:

Em atenção à sociedade, e em virtude de notícias veiculadas nesta QUARTA FEIRA (13) de maio de 2020, sobre a "venda" de semente com promessa de cura, a Igreja Mundial do Poder de Deus, vem esclarecer que:


1) Diferentemente do divulgado pela impressa, a campanha do mês de maio "sê tu
uma benção" representado pela semente do feijão, não se refere a venda de uma
"promessa de cura", mas sim o início de um propósito com Deus, representado por
um símbolo bíblico (a semente) que tem como princípio o início de uma colheita
conforme a vontade de Deus (Lucas 8:11-15 e 2 Corintios 9);


2) Em relação a promessa de cura vinculada diretamente a semente, tem-se que foi
amplamente esclarecido em todos os vídeos que toda cura vem de Deus e que a
semente é uma figura de linguagem, amplamente mencionada nos textos bíblicos, para
materializar o propósito com Deus (Genesis 26);


3) O valor da suposta venda divulgado, resta rechaçada veemente, haja vista ser a
oferta espontânea, a qual é dada de acordo com a condição e manifestação de vontade
de cada fiel, não tendo nenhuma correlação com o comércio de qualquer produto
e/ou serviço.


4) Esclarecemos, ainda, que nossa instituição, ao longo de todos esses anos tem o
único e exclusivo propósito de propagação da fé Cristã, onde todas as nossas atitudes
se baseiam nos princípios bíblicos, na ética e na legalidade.


Sendo essas as nossas considerações sobre as matérias indevidamente divulgadas,
reservando-nos o direito de exigir o direito de resposta, e quiçá a reparação de danos
materiais e morais dos meios de comunicações que propagaram essa "Fake News"
sob a ótica da lei cível e criminal.


Atenciosamente,
IGREJA MUNDIAL DO PODER DE DEUS
 

Ouça a entrevista completa:

Leia Também

Deixe o seu comentário!