Os integrantes da Fazenda Esperança e Pastoral de Apoio ao Toxicômano Nova Esperança (Patne), Gabriela Bonifácio, e Nestor Feltrin, afirmaram que famílias não estão acreditando na recuperação de dependentes químicos em Farroupilha. Eles participaram do Fim de Expediente desta segunda-feira, 27. 

Feltrin destacou que a pessoa que consome drogas não tem vontade de fazer nada, além de usar entorpecentes. “O dependente químico é uma consequência da família. Algumas falhas houveram nessa família. Os familiares não estão mais acreditando. Eles acham que usar drogas é normal, não imaginam o que vem depois”, contou.

Já Gabriela afirmou que as visitas aos acolhidos diminuíram ao longo do tempo, salientando a importância dos familiares acompanharem a recuperação dos usuários. “Percebemos um descaso de muitas famílias que não querem visitar”, comentou.

A Fazenda Esperança está atuando contra as drogas há 13 anos e conta com duas alas: a feminina, na Linha Sete Colônias, ajudando 10 internas, e a masculina na Linha São Miguel, com 45 internos. Mais informaçaões sobre a instituição e internações pelos telefones (54) 9 9911-1650 ou no (54) 9 9106-6414.

Os encontros da Patne têm aproximadamente 20 pessoas e ocorrem nas segundas-feiras, das 19h30 às 21h30, no Salão Paroquial da Igreja da Matriz. Mais informações podem ser adquiridas no celular (54) 9 9971-8892.

OUÇA O ÁUDIO ABAIXO 

Áudios

Leia Também

Deixe o seu comentário!