Nesta segunda-feira, 3, entra em vigor oficialmente os novos padrões para a gasolina brasileira.

As novas especificações da gasolina automotiva, estabelecidas pela Agência Nacional do Petróleo na Resolução nº 807/2020, aprimoram a qualidade do combustível no país, gerando melhor eficiência energética, que por sua vez, melhora o desempenho e baixa o gasto em cerca de 4% a 6% em motores mais modernos.

A resolução diz que toda a gasolina produzida no país deverá atender às novas especificações como o valor mínimo de massa específica (ME) de 715,0 kg/m3, o que significa mais energia e menos consumo, o valor mínimo para a temperatura de destilação em 50% (T50) para a gasolina A de 77,0 ºC, melhorando o aquecimento do motor e a fixação de limites para a octanagem RON (Research Octane Number), já presente nas especificações da gasolina de outros países. O valor mínimo para a gasolina comum será 92, chegando a 95 até 2022.

Segundo especialistas, a nova gasolina brasileira será mais difícil de sofrer adulteração, terá maior rendimento, menos gasto, porém, será mais cara, mas deverá compensar no km rodado.

Além de estabelecer as novas especificações da gasolina, a Resolução da ANP determina as obrigações quanto ao controle da qualidade a serem atendidas pelos distribuidores e revendedores.

Leia Também

Deixe o seu comentário!