O presidente da Associação Médica de Farroupilha (Farmed), Felipe Hertz, comentou sobre os critérios utilizados pelo governador Eduardo Leite (PSDB) no distanciamento controlado, ferramenta utilizada pelo governador para definir medidas de prevenção ao coronavírus nas regiões do estado.

De acordo com Hertz, as medidas têm afetado muito a economia, que em sua visão é uma área necessária para as pessoas conseguirem viver bem. “Não adianta a gente exagerar na dose do remédio e matar o paciente por outro motivo. Esse é um critério que precisamos ter muito cuidado. Não adianta arrancar a cabeça para tratar o câncer na orelha. Mata o cara por arrancar a cabeça”, explicou.

O médico destacou que a busca por leitos de Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) na região teve origem de iniciativa privada mais uma vez. Segundo ele, falta uma participação do governo na resolução dos problemas do estado. “Não temos perspectivas de boas notícias por parte do estado”, argumentou.

OUÇA O ÁUDIO ABAIXO 

Áudios

Leia Também

Deixe o seu comentário!