O comandante do 36º Batalhão de Polícia Militar (BPM), major Juliano do Amaral, participou do programa Fim de Expediente desta quinta-feira, 5, e comentou sobre o trabalho da Brigada Militar (BM) em sua área de atuação e em relação aos últimos casos envolvendo facções criminosas. Em um trecho da entrevista, Amaral explicou sobre algumas ações que estão sendo desenvolvidas e a importância da população repassar informações para a polícia. Ele ressaltou que todas as denúncias que são recebidas pela BM, a identificação dos delatores é mantida em sigilo. “Basta para o serviço policial termos a informação”, destacou. Um dos canais disponíveis para a comunicação é o WhatsApp da Brigada Militar (54) 9 9666-9278 e o tradicional número de emergência 190.

Outro assunto abordado pelo comandante foi a questão do confronto da polícia com criminosos na comunidade de Rio Burati. Segundo o major, o caso está sendo investigado pela Polícia Civil, mas a localidade já estava sendo monitorada pela BM há algum tempo, após denúncias sobre criminosos que estariam utilizando a comunidade para praticar crimes. “A comunidade, ela participou, ela nos informou e nós estavamos acompanhado esta movimentação”, pontuou. Além deste problema, a polícia também realiza um trabalho no local para combater a perturbação de sossego público que acontece em algumas propriedades e principalmente às margens da barragem da Corsan.

Amaral enfatizou a parceria da comunidade desta localidade que já havia repassado detalhes sobre os criminosos que provavelmente invadiram uma propriedade abandonada e estava sendo utilizada como esconderijo, onde eles acabaram mortos no confronto. Ainda sobre a questão de criminosos que atuam no município, o comandante foi enfático e afirmou que a polícia sabe quem são e onde moram. “Nós temos um controle de praticamente todos os criminosos que são de Farroupilha”, declarou.

Ao final ele frisou a importância das pessoas estarem atentas a movimentações estranhas em suas comunidades e que caso isto aconteça, informem imediatamente a polícia.

OUÇA A ENTREVISTA NO ÁUDIO ABAIXO

Áudios

Leia Também

Deixe o seu comentário!