O suplente de vereador Raul Herpich (PDT) apresentou sua defesa no dia 3 de outubro. Conforme o documento, o político não tem relação com o qualquer crime relacionado às cooperativas habitacionais e aponta ainda ser perseguição política.

Ele nega quebra de decoro parlamentar, uma vez que os fatos não estão ligados à sua atuação como agente público. A Subcomissão de Ética analisará a defesa e apresentará um parecer até o final de outubro.

De acordo com a denúncia do Ministério Público (MP), diversos depósitos bancários dos recursos das cooperativas que ele presidia foram efetuados nas contas de Herpich e seus familiares, o que foi entendido como apropriação indébita de valores de mais de cinco mil pessoas.

Outro vereador acusado pelo MP é o vereador Sedinei Catafesta (PSD), que teria recebido R$ 20 mil em propina na compra de um arquivo metálico para a Casa Legislativa quando era presidente em 2014. Ele já apresentou sua defesa em 24 de setembro.

Leia Também

Deixe o seu comentário!