O município de Farroupilha registrou na manhã desta sexta-feira, 22, um surto do vírus ‘mão-pé-boca’ em escola de educação infantil no município. Conforme a diretora de departamento da Secretaria a Saúde, Silvana Lima, os casos estavam sendo monitorados e até o momento só existe a confirmação do surto em uma instituição e a suspeita é de que outras duas escolas podem registrar crianças com o vírus. Silvana ressaltou que durante a tarde desta sexta equipes irão até as instituições para realizarem análises e fazer o levantamento de quantas crianças estão infectadas.

Os nomes das instituições não foram informados pela prefeitura.

Principais sintomas

Geralmente, aparecem depois de 3 a 7 dias após a infecção pelo vírus e incluem:

Febre acima dos 38ºC;
Dor de garganta;
Muita salivação;
Vômito;
Mal-estar;
Diarreia;
Falta de apetite;
Dor de cabeça;
Além disso, após cerca de 2 a 3 dias é comum o surgimento de manchas ou bolhas vermelhas nas mãos e nos pés, assim como aftas na boca, que ajudam no diagnóstico da doença.

Como confirmar o diagnóstico

O diagnóstico da síndrome mão-pé-boca é feito pelo pediatra ou clínico geral por meio da avaliação dos sintomas e das manchas.

Por causa de alguns sintomas, essa síndrome pode ser confundida com algumas doenças, como a herpangina, que é uma doença viral em que o bebê apresenta feridas na boca semelhante às feridas do herpes, ou a escarlatina, em que a criança apresenta manchas vermelhas espalhadas pela pele. Por isso, o médico pode solicitar a realização de exames laboratoriais complementares para fechar o diagnóstico. Entenda mais sobre a herpangina e saiba o que é a escarlatina e principais sintomas.

Como acontece a transmissão

A transmissão da síndrome mão-pé-boca normalmente ocorre através da tosse, espirros, saliva e do contato direto com as bolhas que tenham estourado ou fezes infectadas, principalmente durante os primeiros 7 dias da doença, porém mesmo após a recuperação, o vírus ainda pode ser transmitido através das fezes durante cerca de 4 semanas.

Assim, para evitar pegar a doença ou evitar transmiti-la para outras crianças é importante:

Não ficar perto de outras crianças doentes;
Não partilhar talheres ou objetos que tenham entrado em contato com a boca de crianças com suspeita da síndrome;
Lavar as mãos após tossir, espirrar ou sempre que se precisar tocar no rosto.
Além disso, o vírus pode ser transmitido através de objetos ou alimentos contaminados. Por isso, é importante lavar os alimentos antes do consumo, trocar a fralda do bebê com luva e depois lavar as mãos e lavar bem as mãos após usar o banheiro. Veja quando e como lavar as mãos corretamente.

Como é feito o tratamento

O tratamento da síndrome mão-pé-boca deve ser orientado pelo pediatra ou clínico geral e pode ser feio com remédios para a febre, como o Paracetamol, anti-inflamatórios, como o Ibuprofeno, remédios para a coceira, como anti-histamínicos, gel para as aftas, ou lidocaína, por exemplo.

O tratamento dura cerca de 7 dias e é importante que a criança não vá à escola ou à creche durante este período para não contaminar outras crianças.

Deixe o seu comentário!