O médico e vereador de Farroupilha, Thiago Brunet comentou em entrevista à Spaço FM sobre a aplicação do tratamento imediato aos pacientes com sintomas da covid-19. Conforme Brunet, o sistema de saúde entrou numa situação tão crítica, que classificou como situação de guerra, onde os profissionais da área médica tem de lançar mão de todas as ferramentas possíveis que estiverem ao alcance para combater esse vírus que ainda é desconhecido.

Ele observou que todas as medidas protetivas como o uso do álcool em gel, uso de máscaras e o pedido para evitar as aglomerações, não foram suficientes na disseminação do vírus.

O médico salientou que não existe outra forma a não ser o uso do tratamento precoce, também conhecido como tratamento imediato e com o uso de uma medicação segura, mesmo que não tenha eficácia de 100%.

Quanto ao medicamento usado no tratamento, Thiago destacou a ivermectina, a vitamina D, o zinco, a hidroxicloroquina, desde que aplicada na dosagem correta pelo médico.

Ele observou que muitos médicos ainda questionam o uso dessas medicações, mas ressaltou que são medicamentos que já foram utilizados em outras patologias e que não apresentaram contraindicações. "Se bem não faz, mal também não faz”, comentou.

Quanto a eficácia do uso da ivermectina e da hidroxicloroquina, Brunet salientou que há estudos que aprovam e outros não e que nenhum desses estudos estão com evidências médicas comprovadas. "A base em evidências é importante para a medicina, mas não é tudo. A perspicácia clínica e a experiência de vida jamais devem perder a soberania”, ressaltou.

Ele declarou que faz o uso dessas medicações em seus pacientes, alegando que um médico deve tratar um paciente como a si mesmo, portanto se ele for contaminado com o vírus irá, sim, fazer o uso do medicamento precoce. "A gente respeita os médicos que não são adeptos, mas esses médicos também tem que nos respeitar”, concluiu.

Confira no áudio abaixo

Áudios

Deixe o seu comentário!