O pai que se acorrentou há cerca de uma semana pedindo a cirurgia do filho, Everton Daniel Zimmer, 14 anos, criticou os profissionais da medicina da região e a demora no atendimento. Anério Zimmer, 47, contou em entrevista os detalhes do ocorrido com o menino, que se machucou na escola em 2 de agosto e fraturou o fêmur em setembro, quando caiu no banheiro de sua casa. Segundo Anério, ao todo foram 43 dias de dor enfrentados pelo filho – mesmo problema que teria levado a uma infecção e o falecimento do avô de Everton seis meses antes. Para ele, a única saída encontrada foi se acorrentar em um poste próximo ao hospital de Farroupilha. “Acho que acordei muita gente e acho que ainda vou acordar muita gente, porque tem muitos profissionais da medicina dormindo. Esses profissionais que nós temos por aí, tem uns que não chegam nem nos pés dos que temos na capital”, declara.
Após conseguir uma vaga no Hospital de Clínicas de Porto Alegre, a cirurgia foi reaizada e Everton foi para casa, em Alto Feliz, nesta terça-feira, 4. A partir de agora, ele fará fisioterapia e tratamento para o cisto, o qual ainda não saiu o resultado se é maligno ou não.

Confira a entrevista no áudio abaixo:

Áudios

Deixe o seu comentário!