A mãe do menino Pedro Henrique Sott tem mais pedras no caminho para a busca de uma medula óssea para o filho, diagnosticado com leucemia rara. Em visita a equipe médica do Hospital de Clínicas, em Porto Alegre, Izane Sott foi informada que o nome do garoto não está na lista de buscas por um doador no Brasil ou no exterior. A explicação dada pelos especialistas foram que exames feitos no final de setembro ainda não estão prontos para lançar o nome, devido à falta de equipes no hospital e extensa fila de espera, relatou Izane.

A situação fica mais dramática ao ser informado que, caso for encontrado um doador, não será possível fazer o transplante na urgência, já que há uma lista de espera por um leito ou equipe que faça o transplante. Os altos custos para a busca de uma medula fora do exterior também seria um problema informado pelo Hospital de Clínicas, explicou a mãe do garoto. “O que eu acredito é que o governo não tenha interesse em fazer transplantes, pelo custo”, comenta com tristeza Izane, que reclama da falta de apoio dos especialistas em Porto Alegre.

Foi prometido que até 14 de dezembro, o nome de Pedro Henrique estará no Redome, o banco nacional que busca por doadores. A secretária da Saúde Glória Menegotto garantiu que vai buscar explicações sobre o ocorrido. Um jantar beneficente no CTG Rancho de Gaudérios ocorre no próximo sábado, com todos ingressos já vendidos. Um show de Fabiano Feltrin também será realizado na sexta-feira.

Áudios

Deixe o seu comentário!